A serenidade em tempos de isolamento

Por Filipe Gimenes de Freitas

Num momento atípico como esse, em que precisamos ficar em isolamento por tempo ainda indeterminado, uma das virtudes mais difíceis de mantermos é a SERENIDADE. Muitos de nós costumamos perder momentaneamente o equilíbrio emocional e a fé ao longo de cada dia.

Mas quem disse que perder a serenidade ou a fé não seja normal e aceitável numa situação dessas? Lembremo-nos de um fato narrado no Novo Testamento em que os apóstolos duvidaram do poder que lhes foi concedido para serem instrumentos de Deus e curar um endemoniado, e Jesus disse a eles após não terem conseguido: “- Raça incrédula e perversa, até quando estarei convosco?”1

Noutro momento, os discípulos veem um homem andando sobre as águas e achavam ser um fantasma, mas Jesus diz: “Tranquilizai- vos, sou eu. Não tenhais medo!”2 Então Pedro vê Jesus sobre as águas e para confirmar se era mesmo o Mestre, pede para que ele vá ao encontro do Nazareno e Cristo diz: “Vem”3, então o apóstolo caminha sobre as águas até que bate um vento, ele se amedronta e começa a afundar e pede socorro a Jesus que lhe estende a mão e lhe adverte: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?”4

A exemplo das passagens evangélicas acima, somos imperfeitos e por mais que não queiramos, há momentos em que duvidamos de tantas coisas que possam ou não nos acontecer. Portanto, o primeiro passo é não nos culparmos por uma perfeição que não existe em nenhum de nós.

Em segundo lugar, nutramos a certeza, além de inúmeras outras lições nesse momento de provação coletiva, que Deus quer que exercitemos a SERENIDADE e a FÉ. E para que não nos achemos desamparados, avivemos à memória duas situações que não ocorreram há muito tempo.

Quem não se lembra dos 33 mineiros soterrados na mina San José, no Chile? O fatídico acidente ocorreu em 5 de agosto de 2010, quando ficaram presos a 668 metros de profundidade.

Podemos dizer que é quase impossível sentir o que eles sentiram, ainda mais sem saber se seriam resgatados com o decorrer dos dias. E como eles mantiveram a serenidade numa situação tão adversa?

Para quem não se recorda, apenas no dia 12 de outubro de 2010 iniciou-se o processo de retirada dos mineiros, ou seja, 68 dias após o confinamento num local inóspito e com perigo de haver outro desabamento, é que chegou ao fim o tormento dos chilenos.

Mais recentemente, quem se recorda dos 12 meninos e seu técnico do time de futebol “Javalis Selvagens”, que ficaram presos numa caverna na Tailândia? Apenas 10 dias depois de ficarem presos é que as equipes de resgate conseguiram encontrar o grupo que estava faminto e sem luz no local, mas todos vivos. E depois de serem encontrados, iniciava outra fase de ver como seriam resgatados.

Eles ficaram do dia 23 de junho de 2018 até 10 de julho de 2018, ou seja, 17 dias, quando foram retirados da caverna. Após serem resgatados, as pessoas queriam saber o que fizeram para a própria saúde mental, uma vez que sequer sabiam se havia alguma tentativa de resgate em curso e se o achariam. No entanto, o treinador dos meninos disse que os ensinou técnicas de meditação, que são exercícios para silenciarmos a nossa mente e facilitar o nosso contato com Deus.

Se trouxermos essas histórias de superação, de luta pela vida e misericórdia divina, vemos que a lição de Deus para nós é muito mais branda. Por mais que estejamos isolados, Deus concedeu-nos o nosso lar como abrigo, a nossa família como companheira e a possibilidade de nos alimentarmos conforme as nossas condições financeiras.

Não há a menor dúvida que tudo isso passará e que retomaremos as nossas vidas, mas será que estávamos sobrevivendo ou vivendo? Será que a correria do dia a dia, a nossa ausência do lar em detrimento de um trabalho sem fim ou a busca frenética por conquistas materiais valeram de algo até agora?

A única certeza que temos para todos aqueles que acreditam na existência de um Deus justo, bom e misericordioso, é que tudo isso está nos acontecendo para que aprendamos algo e que mudemos o curso de nossas vidas.

Além disso, quando acharmos que o fardo está demasiadamente pesado, lembremo-nos dos mineiros do Chile e dos meninos da Tailândia, porque Deus retira forças de cada um de nós que sequer imaginávamos possuir. Obviamente que eles duvidaram muitas vezes, mas a fé consiste em nos erguer após um fraquejo e tal virtude só se fortalece quando é colocada à prova.

Dias ruins enfrentaremos, pensamentos negativos teremos ou nas águas da dúvida submergiremos, no entanto, no comando de tudo está Deus, que mostrou aos mineiros que não há profundidade bastante para aquele que crê, revelou aos meninos da Tailândia que não há dificuldade que resista aquele que tem fé e nos presenteou com o Seu filho, que na firmeza do seu agir e na verdade absoluta dos seus ensinamentos, deixou-nos a lição que serviu aos chilenos e aos tailandeses e nos serve nesse exato momento: “Entretanto, aquele que perseverar até o fim, será salvo.”5

Filipe Gimenes de Freitas é palestrante sobre o evangelho, espiritualidade e autor do livro “Cristão do Terceiro Milênio”. É presidente do Instituto Cisco de Deus que atende crianças carentes em Mato Grosso.

1 Mateus 17:17
2 Mateus 14:27
3 Mateus 14:29
4 Mateus: 14:31
5 Mateus 24:13

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s