A turbulência

Por Maria Carolina Borges Dal´Magro

Para quem tem medo de avião, sabe muito bem o que causa a mera menção da palavra turbulência, e de repente uma sequência de reações no corpo dá início a um cenário aterrorizante.

Eu sou uma dessas pessoas, a qual se intitula aerofóbica, e que por várias vezes mencionei, que seria a última vez. Passar pelos efeitos do medo, é como viver a iminência de morte, é mais que desagradável é insuportável.

Em setembro deste ano, estive em viagem para fora do país, em uma trip na qual conheci vários países, da Europa e Ásia. Eu já estava treinando minha mente sobre a necessidade de passar por várias viagens longas de avião e tentei controlar a ansiedade que volte e meia me temorizava.

Em uma dessas longas viagens, na constante luta em tentar me distrair, inevitavelmente uma turbulência começou a acontecer e, automaticamente, comecei a pensar sobre o fato de estar sobrevoando o oceano por horas; sobre o tempo que ainda faltava para chegar ao destino final, e que a fragilidade daquela circunstancia era algo muito perigoso.

Um pânico tomou conta do meu corpo, ao mesmo tempo em que me volvi desesperadamente à Deus e pedi por misericórdia. Passavam os minutos e meu medo aumentava a cada instante, percebi então, que eu estava orando, mas meus pensamentos estavam focados naquele problema, estava pedindo a ajuda de Deus, mas estava agarrada ao sentimento de medo que vivia naquele momento.

Exatamente quando comecei a pensar no porque minhas orações não estavam “fazendo efeito”, uma calmaria tomou conta do meu coração. De fato, não adiantava pedir um para quedas para me livrar daquilo que eu mais temia, não adiantava gritar e espernear ou desesperar, inevitavelmente eu deveria esperar que aquela situação passasse.

Se algo de ruim acontecesse ali, meu desespero não serviria de nada, apenas me faria sentir mais medo e fortaleceria ainda mais o meu trauma. Quantas são as vezes em que vivemos uma experiência triste na vida, pedimos reiteradamente à ajuda de Deus, mas não largamos daquilo que nos fere?

Quantas são as vezes em que oramos por um futuro feliz e próspero à Deus, mas estamos agarrados emocionalmente ao passado traumático que vivemos. Quantas são as vezes em que pedimos a Deus por solução, mas jugamos as oportunidades que nos aparecem.

Do outro lado daquela turbulência, havia um paraíso me esperando, paisagens exuberantes, culturas ricas e uma belíssima memória que levarei para vida toda. O tempo da turbulência, se tornou ínfimo diante daquele registro tão maravilhoso. Às vezes, deixamos de viver as maravilhas de Deus, por termos medo de pagar o preço por elas. Não queremos correr riscos, não queremos errar de novo! Não queremos sair da zona de conforto.

Confiar em Deus é ter a certeza que do outro lado do rio existe paz, e que toda nossa vã necessidade de querer enxergar o outro lado das nuvens negras, na verdade é um afronte à fé que Deus espera de nós e a manutenção da teimosia em fazer tudo a nosso modo.

Ao total, foram 11 vezes em que entrei num avião, num período de 15 dias, quase todos os dias da viagem estive sobre as asas do altíssimo, e estando hoje aqui, escrevendo para mim e para você, tenho a certeza de que tudo valeu a pena!

Quando colocamos Deus a frente de nossa vida, saímos do controle para que ele conduza e isso requer confiança integral naquele que sabe de todas as coisas. Ele pede constantemente para que tenhamos coragem e que sejamos fortes para vivermos e enfrentarmos o que é necessário. Ele pede para que soltemos as coisas que já passaram e que nos causam dor, para vivermos o que ele tem nos prometido. O primeiro passo é nosso. A vitória ao lado do verdadeiro comandante é certa.

Maria Carolina Borges Dal´Magro
Assessora Jurídica. Atuou na área criminal da 5ª Vara Criminal (efeitos gerais), 11ª Vara Criminal (audiências de custódia), 14ª criminal (cartas precatórias) todas de Cuiabá, 2ª Vara da Infância e Juventude (atos infracionais) e Vara Única de Poconé. Tribunal do Júri. Audiências admonitórias, justificação e instrução. Atualmente, atua como Assessora técnica jurídica da Presidência do Detran-MT (área correicional).

3 comentários sobre “A turbulência

  1. Parabéns querida sobrinha Carol pela linda reflexão e conseguir enxergar e traçar um paralelo entre as experiências vividas e a importância de entregar a direção da vida ao grande Comandante nosso Deus. Acreditar nas preciosas promessas que Ele tem para todos que confiam nEle e que a vitória é certa.
    Carol, meu orgulho!

    Curtir

  2. Você é a minha inspiração de mulher! Já te disse isso?? Vc sempre foi a mais inteligente, a mais sábia das amigas, a mais engraçada e a mais correta, a mais alta rs… Você sempre foi a mais forte e mais ligada a Deus. Vc sempre nos inspirou E sempre esteve presente nas nossas dores e nas nossas alegrias e te vendo escrever assim, é só um pedacinho do que você é, do carinho que você dá as pessoas e do quanto é bom ter vc em nossas vidas. Continue a brilhar amiga. Te amo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s